sábado, 16 de janeiro de 2010

Sorvete de Romã




Como já postei antes, ganhei os livros da Nigella no Natal.
Gostei mais do Nigella Express, mas já marquei com post-it várias receitas dos dois. Foi quase um bloquinho daqueles fofos trequinhos amarelinhos.
A "receita inaugural" foi do sorvete de Romã. Como já disse antes, estou fascinada por sorvetes e na expectativa de comprar a minha sorveteira. Não sossegarei até fazer um sorvete de tapioca, vocês verão!!
Como esse sorvete não precisava de sorveteira e estamos na época de romã (ou pelo menos na época em que conseguimos achá-las nos mercados), resolvi testar.
A receita pedia 3 unidades, mas confesso que achei um absurdo pagar R$ 8,00 a unidade e comprei apenas duas, abrindo mão da unidade para decoração.
A receita ficou gostosa, com um sabor bem leve, mas não ficou da mesma cor do sorvete do livro da Nigella. Ficou um rosa beeem clarinho.
Comprei umas vasilhas com fecho hermético no Pão de Açúcar especialmente para essa estréia. São ótimas, recomendo.
Depois dessa tentativa, fiz uma adaptação usando polpa de uva... booommm!!! (depois que aprimorá-la vou postar)
Não entendi a razão do nome "Sorvete de romã sem esforço". Acho que foi uma piadinha, porque retirar a polpa das romãs exigiu muito esforço. Engraçadinha essa mocinha!!! Rsrsrs

Sorvete de Romã sem esforço (extraído do livro 'Nigella Express', p. 130)

Ingredientes:
- 2 romãs (mais as sementes de uma terceira, para decorar) - abri mão da decoração;
- 1 limão (usei siciliano);
- 175g de açúcar de confeiteiro (1 1/4 xícara);
- 500ml de creme de leite fresco.

Modo de preparo:
Tire os sucos das romãs e do limão e ponha numa tigela.
Junte o açúcar de confeiteiro e misture para dissolver.
Junte o creme de leite fresco e bata tudo junto, até que formem picos macios no creme cor-de-rosa.
Com uma colher, transfira o creme para um recipiente de fecho hermético e deixe no freezer por pelo menos 4 horas, ou de um dia para o outro.
Antes de servir, polvilhe o sorvete com sementes de romã.

Rende 8 porções (um pote de 1l e mais um pouquinho)

Bombas de chocolate - Éclair

Sou super fã de bombas de chocolate. Eu e toda a família.
Descobri no The Cookie Shop uma receita deliciosa de bomba de chocolate (ou Éclair). A massa e o recheio podem ser usados para fazer Carolinas também, mudando apenas o formato.
Também usei o recheio para rechear o bolo do meu afilhado Robert, usando chocolate branco, e ficou muito bom.
Já fiz essa receita duas vezes, bem bom, mas sem fotos (sorry!). É para aqueles dias em que a gente quer cozinhar sem pressa, ou querendo impressionar.
Substituí o fondant por chocolate fracionado derretido, mas coloquei a receita como consta no blog.
Fiz as bombinhas pequenininhas, como docinhos de festa, recheadas sem cortar, fazendo alguns furinhos embaixo e usando bico de confeitar liso. Li em alguns blogs que essa é a forma tradicional francesa de fazê-lo.
Da próxima vez, pretendo fazer duas receitas de massa para uma receita de recheio, pois o recheio sobra muito!

Bombas de Chocolate

Para a Massa Choux (do livro Martha Stewart’s Baking Handbook) – rende 3 dúzias de bombas pequenas

- 1 xícara de água;
- 1/2 xícara (100g) de manteiga em temperatura ambiente;
- 1 colher de chá de açúcar;
- 1/2 colher de chá de sal;
- 1 1/4 xícara de farinha de trigo;
- 4 ovos, mais uma clara, se necessário (não precisei) em temperatura ambiente.

Para o creme de confeiteiro de chocolate (adaptado do livro Baking – From my home to yours, de Dorie Greenspan)

- 2 xícaras de leite;
- 4 gemas;
- 6 colheres de sopa de açúcar;
- 3 colheres de sopa de amido de milho (Maizena);
- 1 pitada de sal;
- 190g de chocolate meio amargo derretido;
- 2 1/2 colheres de sopa de manteiga (não usei).

Para a Cobertura (não fiz, usei chocolate fracionado derretido)

- 170g de chocolate meio amargo
- 6 colheres de sopa de manteiga
- 2 colheres de chá de glucose de milho (usei Karo)

Faça a Massa

Preaqueça o forno a 175°C. Forre 3 assadeiras grandes com papel manteiga.

Numa panela, coloque a água, a manteiga, o açúcar e o sal e leve ao fogo. Assim que levantar fervura, tire do fogo e junte toda a farinha de uma vez. Misture bem e volte ao fogo. Cozinhe até formar uma bola que desgruda da panela e forma uma película no fundo, mais ou menos uns 3 a 5 minutos. Coloque essa massa na batedeira e bata em velocidade baixa por 1 minutinho, para esfriar ligeiramente (a massa é bem pesada – se sua batedeira é fracote, adicione os primeiros ovos batendo com uma colher de pau). Vá acrescentando os ovos, um a um, batendo bem a cada adição. Depois de todos os ovos adicionados, a massa deve estar lisa e como um creme pesado, que forma picos. Se estiver muito seca, a receita original manda colocar mais uma clara, mas eu não precisei.

Com a massa ainda morninha, coloque tudo num saco de confeitar com um bico perlè bem largo, ou então sem o bico mesmo. Uma abertura de 1 dedo é suficiente. Faça cobrinhas gordinhas de mais ou menos uns 3cm, deixando 1,5cm de distância entre elas. Ou então, bolinhas, se quiser fazer carolinas (o equivalente a uma colher de sopa está ótimo). Asse até ficar completamente dourado – as cobrinhas vão crescer e rachar, e vão ficar ocas por dentro. Não abra o forno durante o cozimento, senão elas murcham! Deixe esfriar nas formas.

Elas podem ser guardadas sem o recheio num recipiente fechado até 2 dias. No livro da Dorie Greenspan, ela diz que a massa crua pode ser congelada, já no formato cobrinha ou whatever, e é só assar sem descongelar – mas eu não testei ainda este método.

Faça o creme

Numa panela, leve o leite para ferver. Enquanto isso, bata as gemas com o açúcar e a maizena, até ficar claro e cremoso. Quando o leite ferver, despeje um pouco sobre as gemas batidas e misture bem. Volte a mistura de gemas para a panela com o restante do lete e cozinhe em fogo brando até engrossar bem. Retire do fogo e misture o chocolate derretido. Na receita original, ela diz para deixar esfriar uns 5 minutos e juntar a manteiga em pedacinhos (não coloquei). Coloque um pedaço de filme plástico sobre o creme, encostado em toda a superfície, para não formar película. Deixe esfriar para rechear as bombas.

Faça a cobertura (comece a fazer só depois que as bichinhas já estiverem todas prontas e recheadas)

Numa tigelinha de vidro, coloque o chocolate picado e a manteiga. Leve ao microondas para derreter, em intervalos de 20 segundos, misturando sempre, até ficar homogêneo. Junte o Karo e misture bem.

Montagem

Corte as bombinhas ao meio como se fosse fazer sanduíches, sem separar as duas partes. Com uma colherinha de chá, coloque recheio a gosto. Quanto terminar todas, banhe a parte de cima na cobertura (se ela endurecer, coloque no microondas mais uns 20 segundos), segurando cada bombinha de ponta cabeça e mergulhando um pouquinho. Deixe pingar o excesso e coloque sobre papel manteiga para secar.

Pão de batata e parmesão



Esse pão é uma delícia e rende super bem, dois pães grandes.
É trabalhoso e demorado para ficar pronto, como todo pão.
Essa foi a terceira vez que fiz essa receita e nem acreditei quando pesquisei no blog e vi que não tinha postado ainda.
É uma receita do blog da Patrícia Scarpin, que tem uma receita mais maravilhosa que a outra!
Fiz poucas alterações.

Pão de batata e parmesão

- 224g de batatas próprias para assar (usei as comuns);
- 2 colheres (sopa) – 28g – de manteiga sem sal, em temperatura ambiente;
- 1 xícara (240ml) de leite, em temperatura ambiente (usei semidesnatado, aquecido levemente);
- 1 colher (sopa) de fermento biológico seco;
- 1 colher (sopa) de açúcar;
- 2 colheres (chá) de sal;
- 1/2 xícara (120ml) de água;
- 4-5 xícaras (560-700g) de farinha de trigo comum – usei 5 xícaras;
- 1 xícara (100g) de parmesão ralado na hora (usei um pacote de 50g);
- 1 ovo + 2 colheres (sopa) de água (para pincelar) (ao invés da água, usei uma colher de mel).

Modo de preparo:
Descasque as batatas e corte-as em pedaços iguais. Coloque-as numa panela pequena, cubra com água fria e leve ao fogo até ferver. Cozinhe até ficarem bem macias; escorra e amasse bem enquanto ainda estiverem quentes. Transfira o purê para a tigela da batedeira (se for usar) ou uma tigela grande (se for sovar na mão). Junte o leite e a manteiga e misture bem.
Adicione o fermento biológico e o açúcar à mistura de batata, mexendo bem. Deixe formar uma espuma (5-10 minutos). Acrescente o sal, a água e 3 xícaras (420g) de farinha. Misture até ficar homogêneo (com uma colher de pau ou na batedeira tipo Kitchen Aid, com o batedor de gancho). Junte o parmesão, misture, e comece a adicionar a farinha restante, em porções de ¼ xícara (35g), até formar uma massa que se desgruda das laterais da tigela. Continue batendo por mais 5 minutos (ou sove por 7) até obter uma massa elástica e macia.

Transfira a massa para uma tigela grande (pois cresce bastante), untada levemente com óleo, cubra com filme PVC ou plástico e deixe crescer por 45-60 minutos, ou até dobrar de volume.
Vire a massa sobre uma superfície polvilhada com farinha e deixe sair um pouco do ar que está dentro dela. Divida em duas partes iguais e molde dois filões ovais e longos. Coloque-os numa assadeira grande, bem polvilhada com fubá, ou então forrada com papel manteiga, untado com manteiga ou óleo (os pães grudarão se o papel não for untado); você pode fazer pequenos cortes na superfície dos pães com uma faca bem afiada, se quiser.
Cubra com um pano limpo e deixe crescer novamente, desta vez por 45 minutos.

Enquanto isso, pré-aqueça o forno a 190ºC.
Bata ligeiramente o ovo, adicione a água e use a mistura para pincelar os pães.
Asse por 30-40 minutos, até que o pão doure bem e o fundo faça um som oco se você der batidinhas dele. Caso prefira, meça a temperatura interna do pão com um termômetro próprio para isso – se assado, deverá ficar entre 90 e 93ºC.
Transfira os pães para uma gradinha; só fatie depois de completamente frios.

Combinação de risotos



Recebi um e-mail do QueroComer, que divulgava o Rodízio de Risotos do restaurante da Ticiana Werner, que, por coincidência, era vizinha da minha mãe.
É claro que fiquei interessadíssima em provar, mas já achei o máximo constar a composição dos pratos, pois tenho gostado muito de fazer risotos.
Essa foto é do meu primeiro risoto que fiz, de Carne de sol com abóbora.
Os risotos são os seguintes:
Risoto Werner
Arroz arbóreo, tomate seco, mussarela de búfala, rúcula e creme de leite.
Risoto de Panceta e Legumes
Arroz arbóreo, alho, cebola, panceta, abobrinha, cenoura, ervilha, salsa, parmesão e creme de leite.
Risoto de Queijo com Castanha de Brasil
Arroz arbóreo, queijo mussarela, gorgonzola, parmesão, alho, cebola, salsa, e castanha do Brasil.
Risoto de Alho-poró com Damascos
Arroz arbóreo, alho-poró, damascos, queijo parmesão e creme de leite.
Risoto de Funghi & Tomate Seco
Arroz arbóreo, funghi, tomate seco, cebola, alho, manjericão, parmesão, mussarela de búfala e creme de leite.
Risoto de Filé
Arroz arbóreo, filé mignon picado, cebola, alho, gorgonzola, queijo parmesão, salsa e creme de leite.
Risoto de Carne Seca com Abóbora
Arroz arbóreo, charque, cebola, alho, abóbora, parmesão, gorgonzola, salsa e creme de leite.
Risoto de Rabada com Milho Verde
Arroz arbóreo, rabada desfiada, cebola, alho, milho verde, parmesão e creme de leite.
Risoto de camarão
Arroz arbóreo, camarão, alho, cebola, suco de tomate, queijo parmesão e creme de leite.
Risoto de Lingüiça Apimentada
Arroz arbóreo, lingüiça de pernil apimentada, alho, cebola, molho de pimenta dedo de moça, cebolinha, parmesão e creme de leite.
Risoto de bacalhau
Arroz arbóreo, lascas de bacalhau, pimentão amarelo, salsa, queijo parmesão e creme de leite.
Risoto de Frango com Pimenta Jalapeño
Arroz arbóreo, filé de frango, pimenta jalapeño, tomate concasse, parmesão e creme de leite.

Cursos da Estação das Embalagens - fevereiro/2010



Para quem gostou da receita de pasta de Leite Ninho que eu publiquei há alguns meses, da culinarista Fátima Eid, gostaria de divulgar que em fevereiro o curso vai ocorrer novamente, no dia 04.
A programação é bem vasta, com cursos de Tortas de Confeitaria, Pães de Mel, Tortas de Sorvete e Sorvete Caseiro, Trufas, Bolo Bombom, Ovos de Páscoa, entre outras delícias.
A lista completa está disponível por este link.

Maiores informações pelos contatos:
Telefones: (61) 3224-0852 /8214-0580
Endereço: SDS BL. “H” Nº 26 LOJA 65 2º Subsolo - CONIC – Asa Sul – Brasília-DF
E-mail: culinaristafatimaeid@gmail.com

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Delícia de cereja e chocolate



Essa sobremesa é uma adaptação de uma sugestão da Flávia, mãe da Gabi, amiga da Júlia. Aliás, acho que posso dizer que ela é minha amiga também : )
É uma sobremesa fácil de fazer, deliciosa, mas um pouco onerosa. Fiz pro Natal e para o Ano Novo.
É montada em camadas: creme branco, cerejas frescas sem caroço, ganache de chocolate ao leite e chantilly.
Pode ser montada em um pirex grande ou em taças individuais, que fica chiquérrimo!!!
É tão bom que nem dá vontade de parar de comer...


Delícia de cereja, chocolate e chantilly


Ingredientes do creme:
- 1 lata de leite condensado;
- 1 medida da lata de leite (ou um pouco mais, depende da consistência do creme, que deve ficar grosso, mas ainda leve);
- 2 colheres (sopa) de Maizena;
- 2 gemas peneiradas;
- 1/2 colher (chá) de essência de baunilha Mix.

Ingredientes da ganache:
- 300g de chocolate ao leite;
- 300g de creme de leite fresco.

Outros ingredientes:
- 1 pacote grande de cerejas frescas, lavadas e sem caroços (reserve algumas com cabinho, lavadas, para decorar).
- 1 caixinha de chantilly pronto.

Modo de preparo:

Creme
Dilua a Maizena no leite, numa panela grande, de fundo grosso (usei uma caçarola Tramontina). Junte os demais ingredientes e leve ao fogo, misturando bem, até engrossar. Se ficar muito grosso, adicione um pouco mais de leite. Coloque em colorex ou em taças individuais.

Cerejas
Enquanto o creme esfria, lave bem e remova os caroços das cerejas.
Coloque as metades das cerejas sobre o creme, sem deixar espaços entre elas.

Ganache
Derreta o chocolate em banho maria. Adicione aos poucos o creme de leite fresco, até ficar um creme espesso, mas maleável.
Coloque sobre as cerejas.

Chantilly
Bata o chantilly conforme instruções da embalagem.
Transfira para o saco de confeitar, com bico 1B. Faça pitangas de chantilly sobre o chocolate, cobrindo toda a forma.
Cubra com um filme plástico e leve a geladeira por umas 4h, ou até a hora de servir. Antes de servir, decore com as cerejas reservadas.

Bolo natalino de nozes, amêndoas e frutas cristalizadas



Achei que esse bolo merecia um post especial, pois foi o maior sucesso do Natal.
Foi uma adaptação do adaptado Bolo inglês "do Paraguai", como eu injustamente o batizei antes. Depois de todo o sucesso, nada mais merecido como um pedido de desculpas e um post novo, não é mesmo?
Aí vai a receita... (as fotos serão incluídas depois)
Rende um bolo em forma de bolo inglês média-grande, ou três em material descartável para bolo inglês ou três mini bolos redondos. É uma maravilha para presentear!! Fácil, bonito, gostoso!!
As lascas de amêndoas ficam crocantes... uma delícia!
Bom para comer tomando um cafezinho ou com sorvete.


Bolo natalino de nozes, amêndoas e frutas cristalizadas

Ingredientes:
- 1 e 3/4 xícaras (chá) de farinha de trigo;
- 2 colheres (chá) de fermento em pó;
- 125g de manteiga sem sal, amolecida (tire da geladeira umas 2 horas antes);
- 1 e 1/4 xícara (chá) de açúcar peneirado;
- 3/4 xícara de uvas passas claras sem semente;
- 2 ovos batidos;
- 5 gotas de aroma de amêndoas MIX;
- 50g de nozes trituradas no processador;
- 30g de amêndoas trituradas no processador;
- lascas de amêndoas para decorar.

Modo de preparo:
Pré-aqueça o forno a 180ºC. Unte e enfarinhe uma forma de pão de forma média-grande ou de bolo inglês (se usar as de papel, basta untar com manteiga amolecida). Formas menores rendem mais bolos.
Peneire a farinha e o fermento em pó em uma tigela grande.
Misture a manteiga, o açúcar, os ovos, as passas, a essência de amêndoas e as nozes trituradas em uma outra tigela.
Adicione aos ingredientes secos e mexa levemente.
Despeje a massa na(s) forma(s) preparada(s), decore com as lascas de amêndoas e asse por aproximadamente 1 hora (faça o teste do palito).
Deixe na forma por 5 minutos e depois inverta o bolo numa grade para esfriar.

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Sobre Julie & Julia

Não poderia deixar de comentar essa parceria, depois de tanta mobilização no universo de blogueiras metidas a cozinheiras, ou será de cozinheiras metidas a blogueiras? Bem, a ordem não importa!
O que importa é que achei o filme uma graça! A Meryl Streep está ótima e foi muito bom conhecer um pouco da história da batalhadora e perseverante Julia Child. Mesmo sem ter assistido a qualquer um dos seus filmes, me arrisco a dizer que a composição foi muito bem feita, ficaram aparentemente bem semelhantes.
A personagem da Julie Powell também é bem simpática e desperta facilmente identificações com as blogueiras de plantão, inclusive eu. Teria sido tudo lindo, se não fosse ter lido o livro antes...
O livro foi um presente fofo do meu maridão, que estava super contente em me fazer essa surpresa, mas a cada dia ele ficava mais desapontado com o efeito. Quando me perguntava o que estava achando da leitura e ouvia um "mais ou menos", sua frustração era clara. Por mais que eu tentasse disfarçar, ai, gente, não dá! Um dia ele até pediu desculpas pelo presente de grego... ai tadinho!
Vamos ao livro...
A Julie Powel é muito sem-noção pro meu gosto... se achava uma pessoa fantástica por cozinhar as receitas prontas e aparentemente acreditava que merecia muito, muito reconhecimento.
Tudo bem que cozinhar um livro inteiro, receita por receita, não é para qualquer um, mas e o trabalho da Julia Child por longos 8 anos? Três chefs juntas, criando, várias horas por dia, durante anos, e batalhando por um ideal e uma publicação, isso sim é fantástico.
Tirando os muitos palavrões desnecessários e as ofensas à Julia Child (fatores que devem ter pesado muito para a chef não ter gostado da idéia), uma coisa particularmente me incomodou... a sujeira!
Não, não, não... podem me chamar de neurótica, mas cozinha e sujeira não combinam.Cozinheira suja, cozinha suja e comida francesa então...
Eu ainda não me acostumei sequer a ver Ratatoulle, que é uma animação sobre um ratinho Chef de cozinha, imagine ler sobre uma pessoa real, que em vários momentos faz menção a muita sujeira, louças pelo chão, pêlo de gato por toda a parte e até larvas embaixo do escorredor de pratos. A exposição das intimidades do casal (ou da falta delas) e dos amigos também é desnecessária, a meu ver. Enfim, eu podia ter ficado só no filme.
Para quem, como eu, está me achando muito chata em pensar assim, vi na internet que não sou a única...
Vi também que não fui a única pessoa a associar a Julie Powell a Bridget Jones... rsrsrs
Ahhh, uma coisa muito legal que aconteceu nessas pesquisas foi achar este post, que contém a receita do tão falado Boeuf Bourguinon.

Na NOVA cozinha da Chris   © 2008. Template Recipes by Emporium Digital

TOP